Tecnologia aumenta eficiência energética

Importância da gestão de energia para as empresas e perspectivas para o setor de energia O texto a seguir foi escrito por Paulo Siqueira, Diretor de Gestão de Energia do Sindicato das Indústrias de Energia do Ceará (Sindieergia), em preparação para a conferência de hoje dedicada à eficiência energética.

“O setor elétrico está sob holofotes devido às últimas altas no preço da energia e os reajustes nas tarifas, motivados pela crise hídrica e utilização das termelétricas (mais caras). Dito isto, é impossível menosprezar a Gestão Energética como peça-chave e estratégica dentro das empresas.

“As empresas sabem que a demanda energética corresponde a um dos maiores gastos financeiros dentro de suas realidades. Estima-se que o custo com energia está entre os três maiores, independentemente do segmento, ficando atrás apenas da folha salarial ou do aluguel e dos fretes.

“O tema da Gestão Energética muitas vezes enfrenta o desafio de tomada de decisão baseada em dados, para planejar as melhorias de processo e os investimentos. Por este motivo, os profissionais de finanças e de operações devem munir-se de dados para defender a projeção de investimentos e para a realização de análise preditiva.

“Após dois anos de muitos desafios no cenário econômico, nunca foi tão importante pensar em questões como inovação, investimento no digital e eficiência energética. É o que chamamos de Gestão Energética Inteligente: uma abordagem de gestão de indicadores de performance (KPI’s – Key Performance Indicators), tomada de decisão baseada em dados (Data Driven) e uma plataforma digital com dashboards intuitivos, boletins regulatórios e as principais notícias do setor. Tudo em um mesmo lugar.  

“Para além da gestão empresarial, olhando as perspectivas de mudança do setor de energia, podemos elencar quatro grandes tendências:  

“1)  Democratização na Comercialização

“O futuro do setor passa pela ampliação do Mercado Livre de Energia. Só assim será possível gerar uma economia para uma parcela maior da sociedade. Hoje, quem tem demanda abaixo de 500MW pertence ao mercado cativo e está ‘obrigado’ a adquirir energia de um único fornecedor: a concessionária estadual.

“Além da economia, a autonomia e conveniência são dois fatores importantes para o consumidor final. A esperada ‘portabilidade da conta de luz’ deve avançar no Congresso com as discussões e aprovação do PL 414/2021, o projeto que abre o ambiente de contratação livre para todos os consumidores em até 42 meses (após aprovação da lei). 

“2. Avanço da energia solar

“O mercado movimenta-se para que algumas premissas sejam implementadas e levadas adiante, uma delas é a sustentabilidade como pilar forte de empresas inteligentes e eficientes.

“A energia solar fotovoltaica é uma energia limpa e renovável e com uma grande diferença competitiva: a implementação a custos mais baixos. 

“3. Digitalização do Setor

“O setor elétrico brasileiro está em plena ascensão e se desenvolvendo de forma surpreendente pela ampla difusão de novas tecnologias. São plataformas que permitem fazer monitoramento em tempo real de equipamentos, antecipando os diagnósticos de ocorrências de forma remota e tornando a cadeia cada vez mais eficiente.  

“4. Oportunidades de empregos

“Com o avanço do segmento de energia renovável, avanços em Data Science e novos modelos de comercialização, novas oportunidades de trabalho se abrem para técnicos, engenheiros, analistas de dados e vendedores consultivos.

“Uma coisa podemos ter certeza: esse mercado está aquecido, fomentando novas oportunidades e principalmente, aumentando o poder de escolha do consumidor.”

Via: www.diariodonordeste.verdesmares.com.br

, ,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.