Campos mira na energia solar para conquistar eficiência energética

O Brasil vive atualmente uma das crises hídricas mais severas dos últimos 90 anos, que afeta diretamente a geração de energia elétrica devido à falta de alimentos para abastecer as termelétricas.

Os brasileiros vêm sentindo no bolso os reflexos dessa crise, com a alta dos preços da energia. A Prefeitura, através da Secretaria de Petróleo, Energia e Inovação, está desenvolvendo projetos de energia solar nos imóveis municipais visando promover a eficiência energética.

Para isso, a equipe está buscando quatro fontes de recursos para que os projetos sejam colocados em prática: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), Lei de Partilha dos Royalties, Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e Eletrobrás.

A secretaria, criada pelo prefeito Wladimir Garotinho este ano por entender a importância da pasta, vem trabalhando há semanas na criação da Comissão Interna de Conservação Energética (Cice), conforme explica o secretário Marcelo Neves.

Ele lembra que esse trabalho é uma demonstração do cuidado e preocupação que o município vem tendo com essa questão energética. “Estamos preocupados com a escassez de energia e buscando alternativas para otimizar seu uso. Essa é uma demonstração de que o governo municipal está cuidando da parte de eficiência energética”, afirma o secretário.

De acordo com o coordenador de Energia, João Batista Pessanha, o projeto encaminhado à Faperj visa atender a Rodoviária Roberto Silveira, no Centro. O projeto foi apresentado, através da Companhia de Desenvolvimento do Município de Campos (Codemca), que é uma empresa pública.

“Se for aprovado, a rodoviária será autônoma, ou seja, vai pagar a energia que consome sem o custo do investimento, porque esse projeto tem custo zero para a prefeitura”, explica o especialista no assunto.

A outra fonte de recursos, desta vez para atender às mais de 234 unidades escolares do município, é a Lei 12.858/2013, mais conhecida como Lei de Partilha, que destina 75% de parte dos recursos para a Educação. “São mais de 200 unidades consumidoras e este é um projeto para utilizar nestas unidades placas solares, o que vai gerar uma grande economia”

A outra proposta é atender a Fundação Municipal de Saúde (FMS), responsável pelo Hospital Ferreira Machado (HFM) e Hospital Geral de Guarus (HGG), que passará por uma reforma em breve, através de parceria com o Governo do Estado do Rio. Para este projeto, a secretaria de Petróleo, Energia e Inovação encaminhou projeto para a Eletrobrás.

Via: Campos

, , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *